Desde que a pandemia do coronavírus chegou às nossas vidas, as pessoas estão assustadas e apreensivas. Preocupadas com a saúde dos familiares, dos amigos e inseguras com o futuro social e econômico. 

Em momentos assim, de fragilidade e crises, o ser humano tende a fortalecer o vínculo de cooperação com o outro, aumentando o sentimento de pertencimento à medida que cuida das relações familiares, amizades e também com a comunidade escolar. 

Já existia em mim o desejo de comunicar a importância de estreitar os vínculos e ações de cooperação entre a comunidade escolar,  com as crianças e adolescentes e seus pais. No último final de semana fui convidada pela Escola Estadual Cora Coralina para um encontro online com intuito de dividir angústias, multiplicar afetividade e acima de tudo compartilhar a vida. 

Então resolvi trazer um pouco mais sobre o assunto aqui pro Blog para que possamos refletir juntos. Continue a leitura e confira! 

Com as rápidas mudanças dos últimos tempos que já não são novidade e ainda assim nos causam estranheza, tudo se transformou e aprendemos a trabalhar e estudar em casa. Para que o processo funcione, todos os dias somos convidados a exercícios de tolerância e reinvenção. 

Além disso, nos acompanha constantemente os medos dessa fase: medo do adoecimento, da morte pessoal e de quem amamos, de ficar sem assistência médica e vacinas, perdas financeiras e tantos outros. 

Alguns em família, outros completamente sozinhos pela preservação da vida, sua e do próximo.  E no final, com tantas notícias que podem causar ansiedade e angústia, é preciso procurar apoio e não sofrer sozinho. 

Quando eu proporciono espaço de comunicação para escutar a mim e ao outro, dentro de grupos sociais, surge a possibilidade de transformar. Crio assim a capacidade de me reconhecer como alguém capaz e dentro do contexto e ainda criar uma forte rede de apoio aos que estão igualmente ansiosos e angustiados, auxiliando na redução desse sentimento de desamparo e medo. 

Afinal, isolamento físico não pode ser sinônimo de isolamento afetivo.

Se esconder não é o caminho

Sabe-se que a tristeza favorece a conspiração do silêncio, aquele ímpeto para esconder-se de todos e tudo.

Adoecer, sentir medo e dor pode ser justamente um jeito deste silêncio ser rompido e dar lugar ao contato com pessoas ao buscar ajuda profissional, consultas, para superar os sintomas.

É exatamente através da comunicação, que nasce vagarosamente a construção de laços de carinho e saúde, neste contato com a rede de apoio para superar o adoecimento .

Ter a chance de falar sobre essas dores, ajuda a organizar os pensamentos e emoções, além de contribuir para o acolhimento e ajuda mútua.

Vai passar

Sim, isso mesmo, a pandemia vai passar. 

E o melhor é que sairemos de tudo isso mais conscientes sobre a nossa forma de viver. Teremos, espero eu, uma nova chance de desenvolver de forma mais plena o espírito de cooperação. 

Nessa experiência que tive no sábado foi emocionante ouvir o relato de crianças e adolescentes que estão enfrentando corajosamente a tristeza e os medos. E ao mesmo tempo compartilhando como estão se organizando criativamente para interagirem entre os colegas frente a restrição de acesso às escolas.

Por outro lado, temos professores com missões extremamente importantes de abrir diálogos sobre os sentimentos vividos por todos, fortalecendo assim os vínculos afetivos e modificando as realidades a partir da partilha de diferentes contextos de vida por meio da comunicação virtual. 

A esperança vai se fortalecendo em nós à medida que vivenciamos a oportunidade de novos diálogos. 

E ao estruturarmos laços de interação e escuta ativa como  propósito de alto valor na reorganização da vida em nosso precioso planetinha azul, surge a grande luz no final do túnel.

E como isso acontece? Escutando, apoiando, aceitando o apoio e buscando ações de expressões amorosas no nosso cotidiano. 

Iniciativas simples, como um bilhete, um abraço, uma conversa ou a presença em um momento de silêncio também são alimentos para o fortalecimento dos vínculos.

Atitudes de cooperação farão toda a diferença para uma vida melhor. Afinal, um mais um é sempre mais que dois!

Um forte abraço, 

Espaço Entre Olhares (031) 98814-7288

Leia também: Os efeitos da quarentena na saúde mental de crianças e adolescentes

WhatsApp chat