Amanhã comemoramos o Natal e esse ano foi tão atípico e “rico” em transformações, que a data nos traz reflexões diferentes. É hora de focar na magnitude das mudanças e na possibilidade de inovar vários aspectos da nossa existência. O nosso Blog de hoje não poderia tratar de outro assunto, não é mesmo? Confira! 

É inquestionável que 2020 foi um ano de muitos desafios e mudanças. Nós nos vimos inesperadamente vulneráveis frente a um “invasor” pequeno no tamanho e gigantesco no desafio de adaptação a novas formas de encarar a vida. 

Além de todos os prejuízos físicos e perdas materiais, fomos colocados em um teste de força e coragem onde nossos sentimentos ficaram confusos. O medo e a incerteza vieram à tona. 

O sentimento angustiante de não estar perto de quem amamos, o medo de perdê-los. Além de viver em um cenário desconhecido e muito diferente do habitual. 

Mas no Natal, que é uma data marcada pelo amor, pela união e pela gratidão, meu convite é que possamos ver toda a magnitude das mudanças que a pandemia nos trouxe. Inúmeras possibilidades de inovar nas nossas posturas, nos nossos relacionamentos, o reforço na importância da busca por conhecer mais sobre nós, nossas capacidades e potencialidades. 

Tudo que é vivido se transforma em experiência. Tenha sido um acontecimento bom ou não. Viver é isso: experimentar, se surpreender, criar forças, se adaptar, renovar… e tudo isso é uma dádiva que precisamos sempre encontrar maneiras de agradecer. 

Os novos tempos exigem do ser humano doses extras de tolerância à frustração, cada vez mais necessárias para que seja possível encarar a perda de pessoas, bens ou projetos. 

Para alguns, o Natal foi comemorado tantas vezes sem nenhuma importância, cumprindo ali o “protocolo familiar” de estar presente, sem realmente estar. Durante a pandemia, quantos desejaram que fosse Natal todo final de semana? Para abraçar os pais, avós e outras pessoas queridas que estavam distantes. 

Tudo que passamos nos mostrou o quanto é importante valorizar a presença e os relacionamentos. 

Além disso, foi colocada à nossa frente uma forte necessidade de autoconhecimento. Com nossos limites à flor da pele, estar consigo mesmo e se ouvir nunca foi tão importante para se manter saudável física e principalmente emocionalmente. 

O ano que começa, assim como o que está chegando ao fim, nos pede coragem para aceitar o que perdeu sentido e especialmente para iniciar uma busca por horizontes onde existe coerência entre o que sente, pensa e faz. Esse ponto precisa ser visto como prioridade de crescimento humano. 

Assim como Jesus que sempre entregou aos seus o amor genuíno, fica aqui o convite  ao exercício de amor ao próximo, a busca pela superação de conflitos e fragilidades.

Eu realmente pude acompanhar pessoas  e percebi este ano uma forte dedicação delas aqui no consultório, nesta busca pela reinvenção profunda de si.  

Vivi momentos profissionais ultra singulares, que me tornaram bastante aprimorada. 

Gratidão por todas as desordens que a pandemia lançou sobre a humanidade, pois elas nos trouxeram descobertas e inovações inimagináveis. Sentimos pelas vidas que se foram. Infelizmente um fato.

Por fim, desejo um Natal repleto de amor, por si e pelo outro. Que este ano a coragem esteja presente em todos os corações. 

Um forte abraço, 

Espaço Entre Olhares (031) 98814-7288

Leia também: O Natal é um período…

WhatsApp chat