Vivemos hoje, uma rotina “fora da rotina”. Todos os dias, mudanças chegam até nós. Seja pelo avanço tecnológico ou pela presença do coronavírus, que nos colocam frente a desafios que não conhecíamos e não sabemos ao certo como enfrentar. Mas afinal, a mudança não é justamente isso? A surpresa,  o desafio e a possibilidade de evoluir? Se soubermos como será, aproveitaremos a oportunidade de crescimento? Diante de tantas mudanças aceleradas, como podemos sobreviver com saúde? Esse é o tema do nosso Blog de hoje. Confira! 

Com tudo que nós, enquanto humanidade, temos enfrentado nos últimos tempos, a palavra “adaptação” nunca fez tanto sentido. Sem esperar ou cogitar a possibilidade, a pandemia do coronavírus chegou e trouxe uma mudança acelerada na vida de todos. 

A escolha por um posicionamento neste contexto é difícil. Alguns se encontram paralisados frente ao impacto. Outros buscam continuar a travessia e se qualificar  no conhecimento para sobreviver e evoluir. 

O sofrimento é inerente à pandemia e as pessoas aos poucos vão tentando se posicionar de alguma forma.

Para aqueles que preferem o comodismo e têm dificuldade em lidar com as mudanças, torna-se insuportável tamanho questionamento da ordem social e individual.

Uma vez que o movimento é inerente à vida e tudo está em constante transformação, é essencial aceitar as indagações e humildemente compreender a convocação para nos apoiarmos e optar por reflexões e  decisões inovadoras.

Heráclito de Éfeso, pai da dialética, disse que – tudo flui – é impossível banhar-se duas vezes no mesmo rio.

Ou conduzimos as transformações ou elas irão nos conduzir.

Para sobreviver a uma mudança acelerada como a de agora, nós nos adaptamos, descobrimos coisas novas e evoluímos. Como poderemos voltar ao ponto que estávamos se agora já não somos os mesmos e a mesma sociedade? Será que a saída é “andar para trás”?

Os objetivos mudam, a forma de ver as coisas mudam, as ferramentas para realização dos sonhos mudam e a gente necessita continuar a caminhar, em busca de novos sentidos de vida.

No sentido literal, quando caminhamos nosso cérebro é oxigenado. Assim, permitimos que nossa mente e nossa imaginação fluam e favoreça descarregar todas aquelas dúvidas e problemas que nos afligem. 

Caminhar implica em uma ação de ir para frente, deixando momentaneamente o que nos preocupa para trás. Te convido a fazer isso mais vezes na semana. Quem sabe você descobrirá possibilidades?

Devemos caminhar também em busca dos nossos sonhos.  Em meio ao caos interno e externo temos a tendência de magnificar o problema e desenvolver uma “cegueira” situacional frente aos anseios e projetos de vida. 

Veja como o ato de  caminhar para nossos melhores pensamentos, imaginar e delinear o passo a passo para novas atitudes consigo, o outro, e em especial com os sonhos trará a você perspectivas muitas vezes impensáveis até o momento que antecedeu a pandemia.

Quanto mais eu atendo pessoas aqui no espaço Entre Olhares: onde a vida fica melhor, constato com frequência o quanto a cooperação entre as pessoas está em evidência e  a coragem, cada vez mais intensa e robusta, para desfazer velhos padrões e  posturas. Seguir em frente e dar maior realidade e transparência para os relacionamentos tornou-se imperioso.

O planeta Terra e seus habitantes seguem na minuciosa re-invenção e cada dia essas mudanças tendem a ser mais rápidas e intensas. Fato é que sempre estaremos em transformação, conscientes ou não de nossa posição na vida.

Para que consigamos aprender e evoluir não há receita. Muito pelo contrário!

Então, eu deixo aqui com vocês as palavras do Fernando Pessoa: 

Agir, eis a inteligência verdadeira.

Serei o que quiser, 

mas tenho de querer o que for…

(Livro Desassossego)

Um forte abraço, 

Espaço Entre Olhares (031) 98814-7288

Leia também: O novo ciclo nos pede coragem e uma dose de ousadia

https://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil/trag%C3%A9dia-entristece-endurece-mas-o-que-faz-o-coletivo-reage-diz-psicanalista/ar-BB1eR2H8

WhatsApp chat